terça-feira, 5 de outubro de 2010

Poema nº 2



Paulo Cequinel

Nada é tanto
que não possa
voar
passar
valer
pintar
cantar
gritar
falar
ousar
falhar

Nada é menos
ponto
vírgula
viagem
chegar
mesmo

Tudo
calmo
mesmo
que
alvoroço
em
meu
coração

Nenhum comentário:

Postar um comentário