Copiei do Tudo em Cima. Segue a saga ...



http://tudo-em-cima.blogspot.com.br/2012/05/renato-aroeira-e-capa-da-veja-ate-onde.html




O chargista Renato Aroeira entrou numa saia justa ao fazer o desenho que ilustra a capa da Veja desta semana. Alguns o defendem, alegando que se trata de um profissional que pode vender sua força de trabalho para quem quiser (até para quem ele mesmo não gosta), enquanto outros o atacam por ter feito uma charge de encomenda para uma revista que, além de ser um panfleto nazi-fascista e golpista, ainda por cima se revelou parceira do crime organizado comandando pelo bicheiro Carilhos Cachoeira (hoje preso). 

Aroeira não gostou de ser criticado e reagiu, xingando as pessoas que o atacam de "fascistas" e "fanáticos", entre outros impropérios. Em termos resumidos, se fez de vítima, de coitado, colocou-se como vítima de patrulha ideológica.

Gostaria de saber qual a opinião das pessoas em relação a essa questão, que levanta outra: você é um pedreiro e aceita fazer a reforma de uma mansão de um famoso mafioso e, de repente, é atingido num tiroteio entre os criminosos e a polícia. No caso, o referido pedreiro é apenas uma vítima inocente ou alguém que se arriscou fazendo o serviço na casa de quem ele sabia ser um criminoso?

No meu caso eu afirmo: jamais aceitaria trabalhar para uma revista que é comprovadamente parceira do crime organizado. Nem tanto por uma questão ideológica, mas muito mais por respeito aos valores democráticos e republicanos.

Comentários