terça-feira, 4 de junho de 2013

"Causos" de Antonina VI



Jouber era namorador desde criança. Costumava ir ao cais para ver as meninas bonitas nos navios. A diversão da meninada era ir ao porto, para ver os navios aportarem e brincarem por ali. Gostavam de pisar o chão do porto, brincar de pique-esconde. Nesse tempo, grassava por Paranaguá a peste bubônica. O porto estava interditado. Um navio, o Heitor Soares, chegou a parar em Paranaguá com uma grande carga, mas foi impedido de descarregar. Lá orientaram que se dirigisse à Antonina.
A população soube que o navio havia estado em Paranaguá e que se dirigia para cá, e um número grande de moradores foi para o cais, a fim de impedir o navio de aportar. A população gritava em uníssono: “Não pode”, “Não pode”. Os tripulantes achavam que a população os estava saudando. E foram se aproximando. O prefeito, vendo que o navio ia aportar, pegou um escaler e dois secretários, e foi avisar o navio. Com um megafone, gritava: “Não pode. Mande a mala (a mala do correio)”. Eles entenderam: “Mande bala”. Pensaram que a população ia atacar o navio e afundaram o escaler do prefeito, que voltou nadando para o cais.

Um comentário:

  1. Just want to say your article is as amazing. The clarity in your
    post is simply great and i can assume you are a professional on this subject.

    Well with your permission let me to grab your RSS feed to stay updated
    with coming near near post. Thank you one million
    and please carry on the rewarding work.

    My web page: how to gain weight fast *http://howtogainweightfast.webs.com/*

    ResponderExcluir