sábado, 11 de fevereiro de 2012

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Carta aberta aos vereadores de Antonina


Aos vereadores da Câmara Municipal de Antonina   




            Como cidadã antoninense, associada da AMBB, moradora do bairro do Batel, mais precisamente das Malvinas, venho a sua presença, por esta carta aberta, levantar os seguintes pontos, para sua reflexão:
            Nasci em Santos, estado de São Paulo, cidade portuária como Antonina e Paranaguá. Santos, como Antonina, só tem uma entrada para a cidade por via terrestre. É uma linda cidade se você pensar nas praias, hoje limpas de detritos, e nos jardins que a circundam, mas sua entrada é um filme de terror. O centro histórico, o velho centro de 500 anos, nas imediações da entrada está totalmente degradado. A vida das pessoas que, por serem pobres, são obrigadas a morar ali, é um inferno.  Quanto à Paranaguá, todos nós de Antonina sabemos os efeitos de leis descumpridas ou mal formuladas, que transformaram a entrada da cidade naquele caos nauseabundo.
            No dia 26 de janeiro, Antonina foi tombada pelo IPHAN como Patrimônio Histórico da nação e esse tombamento se refere à cidade como um todo, com suas edificações e sua paisagem.
            Ao ser eleito pelo voto direto da população da Antonina, V.Exa. comprometeu-se em representá-la na Câmara de Vereadores. Essa representação só será legítima se os interesses do povo forem defendidos, o que não acontecerá se V.Exa. omitir-se ou votar a favor da mudança do Plano Diretor, pois a transformação de bairros residenciais e de turismo em zona industrial trará para aquele local todo tipo de armazenagem de produto, que vai poluir os mananciais e trazer doenças para a população, sem contar com o aumento da zona de meretrício e o tráfico de entorpecentes. Ouvi de um correligionário do Sr. Prefeito que o meretrício existe desde que o mundo é mundo. Eu sei disso. Todo mundo sabe. Mas a vida das mulheres que estão nesse ofício é que as leva para ele. Duvido que os pais do Km.4, do Barigui e das Malvinas queiram essa vida para suas filhas. E também duvido que as mulheres que lá estão não queiram sair dela. Nossos bairros precisam de boas escolas, de creches, de praças de lazer, de postos de saúde, de ruas limpas, de saneamento básico, de segurança no trânsito. Deixe de fora os caminhões, as indústrias, a poluição, o perigo. Deixe que eles fiquem no local que já foi designado pelo belíssimo trabalho conjunto de funcionários públicos e sociedade civil organizada, que foi o Plano Diretor da gestão anterior.
            Não sou, em absoluto, contra a instalação dessas empresas na cidade.  Existe no plano diretor o local apropriado para essas edificações, tanto para armazenagem como para indústrias. Por qual motivo V.Exa. entende que o Senhor Prefeito quer modificar essa situação? Por que não colocar essas indústrias no lugar certo? O que não tem lá que tenha no Barigui, nas Malvinas, no Km. 4? Explique V.Exa., para mim e para a população desses bairros.
            O IAP está sabendo dessa história? Sabe que o armazém ilegal está sendo construído na área que AINDA É RESIDENCIAL, TURÍSTICA E DE MANANCIAIS?
            O senhor pode não querer considerar meus argumentos por eu não ter nascido aqui, como vi no documento lido na Câmara de Vereadores no dia 7 deste mês. Entretanto, escolhi Antonina para morar, ao contrário de muitos ditos “Verdadeiros Antoninenses”. Escolhi porque a cidade é cercada de mata atlântica e rios cristalinos. Escolhi porque vim antes ver o carnaval e vi um povo alegre e hospitaleiro. Escolhi porque a baia era agradável ao olhar e o cheiro de maresia lembrava o bairro onde fui criada. Escolhi porque o povo miscigenado não demonstrava superioridade (nem tampouco inferioridade) diante dos visitantes. Escolhi também porque gosto das festas, todas elas. E porque moro num terreno cheio de passarinhos e árvores nativas e de vizinhança tranqüila. Os buracos das ruas não são intransponíveis e são de fácil solução, qualquer prefeitura tem uma máquina para resolver esse problema. Além de ter escolhido, tenho procurado contribuir para a melhoria das condições de vida do meu bairro, da minha comunidade. 
            Como já disse, não sou contra o progresso, ele é bem vindo, porque Antonina também é uma das cidades mais pobres do sul do país e sei da luta e do sacrifício de mães e pais para cuidar de suas famílias sem poder contar com emprego. Não é disso que se trata e V.Exa. não pode levar o debate para esse lado. É do lugar onde querem instalar essas indústrias, SENDO QUE JÁ EXISTE LOCAL ESPECÍFICO PARA ELAS.
            Por fim, quero lembrá-lo que a vontade do povo, ao ser esclarecido, pode mudar, e naturalmente o senhor não quer ser lembrado por todos como um dos homens que acabaram com a qualidade de vida de bairros populosos de Antonina.
            Apelando para seu bom censo e seu comprometimento com o mandato, assino esta carta aberta e honesta. 

Sonia Nascimento, cidadã de Antonina.